Menu principal

Grupo Apoio em Trindadade - Goiás

Integrantes do Grupo Apoio em Trindade - Goiás.  

XII Solidariedade e Tortas

Em prol de reformas estruturais na Casa da Criança Santa Maria Faustina, localizada no bairro Mariápolis, no município de Padre…

Novo site do Grupo Apoio

O Grupo Apoio tem um novo site. Integrado com as redes sociais! Curta a página do Grupo Apoio no Facebook e…

Missa de 06/05 – Retiro de preparação para a Semana de Pentecostes

No início da tarde, logo após o almoço, a Comunidade rezou o Terço da Misericórdia. Em seguida, o Padre Moacir falou sobre o Centro de Evangelização, tudo o que foi feito até agora e que está defronte os nossos olhos e do muito ainda por fazer. Cada tijolo assentado é fruto do trabalho, fé e colaboração dos paroquianos e das pessoas que acreditam nessa obra de Deus. O sacerdote apresentou, então, os paroquianos que estão à frente da realização da Semana de Pentecostes e também os coordenadores das pastorais, responsáveis pela condução dessa pequena multidão que trabalhará como servos no evento. Vivemos o Quinto Domingo da Páscoa e, no Centro de Evangelização São Pedro, localizado às margens da BR 070, próximo às cidades de Taguatinga e Ceilândia, no Distrito Federal, a Santa Missa teve início às 17 horas, sendo celebrada pelo Padre Moacir Anastácio que foi auxiliado pelo Diácono Paulo. Cantamos a resposta ao salmo: “Sois meu louvor em meio à grande assembléia, anunciarei a todos Vosso nome”.

O sacerdote clamou o Espírito Santo e iniciou a homilia falando as palavras de Jesus: “Eu sou a videira e o Pai é o agricultor. Todo o ramo que não dá fruto, Ele corta. Mas todo o ramo que n’Ele dá fruto, Ele limpa e corta para que dê ainda mais frutos”. O agricultor vive dos frutos das plantas que cultiva. Deus precisa desses frutos que somos nós. A planta que não dá frutos é jogada ao fogo, vira cinza, o vento leva. “Permanecei em Mim, fiquem comigo e Eu estarei com vocês. Cuidem de mim e Eu, com toda certeza, cuidarei de vocês”. Isso é promessa do Senhor para nós. Se não sairmos nem para a direita, nem para a esquerda, Ele cuidará de nós. Nós somos os engenheiros e os operários da obra do Senhor e temos por obrigação realizar essa obra.

Padre Moacir disse que, obediente à ordem do Senhor, adquiriu essa chácara onde está sendo construído o Centro de Evangelização. Ele ouviu do Senhor que era ali, naquele lugar, que seria construída a Sua casa. O sacerdote partilhou que caminhou na esperança, tendo obtido, apesar de todos os obstáculos e com a ajuda de pessoas de bem, as licenças necessárias para a construção do Centro de Evangelização. Voltou a repetir que o Senhor é o agricultor e Ele quer e espera frutos. Não podemos ser galhos secos. Deus tem pressa e muita pressa. Se quisermos viver segundo a vontade d’Ele, não podemos ficar parados, tem que dar frutos, muitos frutos. Atendendo também a um pedido do Senhor, o sacerdote fundou uma comunidade, Renascidos em Pentecostes.

Fiquemos grudados ao tronco que se chama Jesus Cristo. Nós somos os galhos, unidos a um tronco bem cuidado, bem nutrido chamado Jesus Cristo. Ele é a videira e nós somos os ramos e, sem Ele, nada podemos fazer. “Quem não permanecer em mim, será lançado fora e secará”, diz o Senhor. Deus é fiel e nunca nos decepcionará. Não fomos nós que O escolhemos. Foi Ele que nos escolheu, nos chamou e enviou em missão. “O vosso fruto permanecerá para sempre”, diz o Senhor. Outras gerações, os filhos e os filhos dos nossos filhos virão e louvarão a Deus nessa estrutura que está sendo erguida às margens da BR 070. Tenhamos em mente que o Senhor nos escolheu para fazermos a diferença em Brasília. Viemos de tantos lugares: Goiás, Bahia, Ceará, São Paulo, Minas Gerais para formarmos o povo de Deus nessa cidade que é a capital do Espírito Santo.

Ele nos chamou por amor e porque acredita em nós. Não acreditemos na armadilha do inimigo que quer nos diminuir, dizendo que não somos capazes e querendo acabar com nossa auto estima. Quem nos sustenta é Deus e quem sempre vai nos sustentar é Deus. Vejamos o exemplo daquela viúva no Evangelho que esperava a morte porque tinha apenas uma última porção de farinha. Deus cumpriu a Sua promessa e a farinha daquela mulher não faltou mais um dia sequer. Deus nos quer e nos faz vencedores todos os dias. “Estarei contigo todos os dias”, essa é a promessa de Deus para nós.

Ao final da homilia, toda a Comunidade cantou com muita energia e unção:

Nada pode parar o poder de Deus
Ele pode chegar aonde ele quiser (2x)
Então reina Senhor, reina Senhor
Então reina Senhor aqui neste lugar

Nem a distância
Nem a profundidade
Coisa alguma, nada é difícil para Deus
Nem a altura, nem a enfermidade
Nada é mais forte que o amor do nosso Deus

Nada pode parar o poder de Deus
Ele pode chegar aonde ele quiser (2x)
Então reina Senhor, reina Senhor
Então reina Senhor aqui neste lugar

Nem o presente, o futuro
A morte ou a vida
Nada tem força pra nos separar do amor de Deus
E nem os anjos, nem os principados
Criatura alguma me separa do amor de Deus

Então reina Senhor, reina Senhor
Então reina Senhor aqui neste lugar
aqui neste lugar

Missa de 29.04.2012 “Jesus, o Bom Pastor que dá a vida por suas ovelhas”

No Quarto Domingo da Páscoa, as leituras nos mostram o Cristo Bom Pastor que reúne a nós, ovelhas de seu rebanho. Ele nos conhece profundamente e chama pelo nome para celebrarmos, com ele, o mistério da Sua Páscoa.  De um modo especial, rezemos por todos os que escutam o chamado de Jesus e se dispõem a segui-Lo, numa vida de consagração. Na Paróquia São Pedro, em Taguatinga (DF), a Santa Missa das 8 horas foi presidida pelo Padre José Alves, assistido pelo Diácono Francisco. Nossa resposta ao Salmo foi: “A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se agora a pedra angular”.

 Evangelho: João 10, 11-18

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo João.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, disse Jesus: 11“Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas.12O mercenário, que não é pastor e não é dono das ovelhas, vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge, e o lobo as ataca e dispersa. 13Pois ele é apenas um mercenário que não se importa com as ovellhas.

 14Eu sou o bom pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem, 15assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou minha vida pelas ovelhas. 16Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil: também a elas devo conduzir; elas escutarão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor. 17É por isso que meu Pai me ama, porque dou a minha vida, para depois recebê-la novamente. 18Ninguém tira a minha vida, eu a dou por mim mesmo; tenho poder de entregá-la e tenho poder de recebê-la novamente; esta é a ordem que recebi de meu Pai”

 – Palavra da Salvação. 

– Glória a vós, Senhor.

O sacerdote saudou a comunidade e iniciou a homilia dizendo que na época em que Jesus viveu, havia muitos pastores de ovelhas no campo e ele observava o cuidado que esses pastores tinham para que os lobos não devorassem suas ovelhas. Costumavam ter nas mãos um cajado com o qual defendiam o seu rebanho. Da mesma forma, os nossos bispos, quando são ordenados, recebem um cajado para conduzir e defender a nós que somos seus rebanhos.

 Padre José citou São João que, no  capítulo 10 do  Evangelho por ele escrito, diz que Jesus veio para que todos tenham vida e a tenham em abundância. Esse trecho define a missão de nosso pastor, Jesus Cristo, defender a vida e a dignidade humana. Esse foi o objetivo da sua missão, ir ao encontro dos doentes, dos marginalizados, levando-lhes palavras de vida eterna, trazendo-lhes ao coração a paz e a alegria de viver.

 Jesus deu sua própria vida para que tivéssemos vida e vida em abundância. Ressuscitado, vive no coração de cada homem e cada mulher que crê. Estamos a caminho de Pentecostes, homens e mulheres orantes, revestidos do Espírito Santo. O sacerdote frisou que o mercenário só se preocupa com o dinheiro e outros interesses pessoais. Jesus, o Bom Pastor, por sua vez, protege, cuida, conduz e dá a vida por suas ovelhas.

Missa de 01.04.2012 Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor

Neste Domingo, damos início à celebração da Semana Santa e recordamos a entrada de Jesus em Jerusalém para viver a Sua Páscoa. Estamos reunidos em nome de Cristo, o Servo fiel e sofredor, que manifestou Seu amor inesgotável para com a humanidade, dando Sua vida por nós. Na Paróquia São Pedro, em Taguatinga (DF), a Santa Missa iniciou-se com a procissão de Ramos, sendo presidida pelo Padre Moacir Anastácio, assistido pelo Diácono Francisco. O salmo prenunciou a paixão e morte do Senhor: “Meu Deus, Meu Deus, porque Me abandonaste?”

Evangelho: Marcos 15, 1-39

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!
Narrador 1: Paixão de nosso Senhor Jesus Cristo segundo Marcos: 

1Logo pela manhã, os sumos sacerdotes, com os anciãos, os mestres da Lei e todo o Sinédrio, reuniram-se e tomaram uma decisão. Levaram Jesus amarrado e o entregaram a Pilatos.
2E Pilatos o interrogou:
Pilatos: “Tu és o rei dos judeus?”
Narrador 1: Jesus respondeu:
Pres.: “Tu o dizes”.
Narrador 1: 3E os sumos sacerdotes faziam muitas acusações contra Jesus.4Pilatos o interrogou novamente:
Pilatos: “Nada tens a responder? Vê de quanta coisa te acusam!”
Narrador 1: 5Mas Jesus não respondeu mais nada, de modo que Pilatos ficou admirado.
6Por ocasião da Páscoa, Pilatos soltava o prisioneiro que eles pedissem.7Havia então um preso, chamado Barrabás, entre os bandidos, que, numa revolta, tinha cometido um assassinato.
8A multidão subiu a Pilatos e começou a pedir que ele fizesse como era costume.
9Pilatos perguntou:
Pilatos: “Vós quereis que eu solte o rei dos judeus?”
Narrador 2: 10Ele bem sabia que os sumos sacerdotes haviam entregado Jesus por inveja.
11Porém, os sumos sacerdotes instigaram a multidão para que Pilatos lhes soltasse Barrabás.
12Pilatos perguntou de novo:
Pilatos: “Que quereis então que eu faça com o rei dos judeus?”
Narrador 2: 13Mas eles tornaram a gritar:
Ass.: Crucifica-o!
Narrador 2: 14Pilatos perguntou:
Pilatos: “Mas, que mal ele fez?”
Narrador 2: Eles, porém, gritaram com mais força:
Ass.: Crucifica-o!
Narrador 1: 15Pilatos, querendo satisfazer a multidão, soltou Barrabás, mandou flagelar Jesus e o entregou para ser crucificado.
16Então os soldados o levaram para dentro do palácio, isto é, o pretório, e convocaram toda a tropa.
17Vestiram Jesus com um manto vermelho, teceram uma coroa de espinhos e a puseram em sua cabeça.
18E começaram a saudá-lo:
Ass.: “Salve, rei dos judeus!”
Narrador 1: 19Batiam-lhe na cabeça com uma vara. Cuspiam nele e, dobrando os joelhos, prostravam-se diante dele.
20Depois de zombarem de Jesus, tiraram-lhe o manto vermelho, vestiram-no de novo com suas próprias roupas e o levaram para fora, a fim de crucificá-lo.
21Os soldados obrigaram um certo Simão de Cirene, pai de Alexandre e Rufo, que voltava do campo, a carregar a cruz.
22Levaram Jesus para o lugar chamado Gólgota, que quer dizer “Calvário”.
23Deram-lhe vinho misturado com mirra, mas ele não o tomou.
24Então o crucificaram e repartiram as suas roupas, tirando a sorte, para ver que parte caberia a cada um.
25Eram nove horas da manhã quando o crucificaram.
26E ali estava uma inscrição com o motivo de sua condenação:
Ass.: “O Rei dos Judeus”.
Narrador 2: 27Com Jesus foram crucificados dois ladrões, um à direita e outro à esquerda.(28)
29Os que por ali passavam o insultavam, balançando a cabeça e dizendo:

Ass.: “Ah! Tu, que destróis o Templo e o reconstróis em três dias,30salva-te a ti mesmo, descendo da cruz!”
Narrador 2: 31Do mesmo modo, os sumos sacerdotes, com os mestres da Lei, zombavam entre si, dizendo:
Ass.: “A outros salvou, a si mesmo não pode salvar!”
32O Messias, o rei de Israel… que desça agora da cruz, para que vejamos e acreditemos!”

Narrador 2: Os que foram crucificados com ele também o insultavam.33Quando chegou o meio-dia, houve escuridão sobre toda a terra, até as três horas da tarde.
34Pelas três da tarde, Jesus gritou com voz forte:
Pres.: “Eloi, Eloi, lamá sabactâni?”
Narrador 2: Que quer dizer:
Pres.: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?”
Narrador 2: 35Alguns dos que estavam ali perto, ouvindo-o, disseram:
Ass.: “Vejam, ele está chamando Elias!”
Narrador 2: 36Alguém correu e embebeu uma esponja em vinagre, colocou-a na ponta de uma vara e lhe deu de beber, dizendo:
Leitor 1: “Deixai! Vamos ver se Elias vem tirá-lo da cruz”.
Narrador 2: 37Então Jesus deu um forte grito e expirou.
(Aqui todos se ajoelham e faz-se uma pausa.)
Narrador 1: 38Nesse momento, a cortina do santuário rasgou-se de alto a baixo, em duas partes.
39Quando o oficial do exército, que estava bem em frente dele, viu como Jesus havia expirado, disse:
Leitor 1: “Na verdade, este homem era o Filho de Deus!”

 – Palavra da Salvação. 

– Glória a vós, Senhor.

Junto com o Padre Moacir, a comunidade leu a Oração da Semana de Pentecostes. O sacerdote iniciou a homilia comentando a Segunda Leitura em que São Paulo relata que Jesus renunciou à condição divina, assumindo a condição humana. Veio ao mundo pelo seio de Maria. Padeceu, sofreu, humilhou-se a si mesmo e, mesmo sendo Deus, criador de tudo que há, do que está perto de nossos olhos e também do que não conseguimos ver. Por amor se humilhou e veio a nós porque éramos escravos. Havíamos esquecido de Deus e o demônio, pai da mentira, comandava este mundo.

Deus fez-se obediente até a morte e morte de cruz. Talvez aqui esteja o nosso grande pecado: queremos seguir Jesus Cristo, mas não queremos obedecê-Lo. Não façamos como satanás, o príncipe deste mundo, que reconhece que Jesus é o Cristo de Deus, mas, ainda assim, não O obdece e não comunga com Ele. Toda língua proclame que Jesus Cristo é o Senhor. E a Igreja, conquistada na cruz, representa o Senhor na Terra. Vemos que é satanás quem está por detrás de toda essa revolta contra Jesus, de todos os falsos testemunhos contra Ele. Ficais atentos, diz o Senhor. E nós, estamos dormindo como os apóstolos? Estamos adormecidos na preguiça, no adultério, na falsidade? Pensemos nisso. Vigiai e orai, aconselha-nos o Senhor, porque o espírito está pronto, mas a carne é fraca.

O sacerdote disse que todos os dias, Jesus padece e é crucificado por mim e por você, massacrado por causa dos pecados que cometemos. Ele ainda espera que eu e você acreditemos na Sua Palavra e vivamos segundo essa mesma Palavra. Por acaso não negamos Jesus Cristo todos os dias, negando-O em pequenos e grandes atos? A diferença entre Pedro e nós é que Pedro caiu em si e chorou amargamente, com profundo arrependimento.

Os pagãos entendem a Páscoa como um “feriadão”, propício para viajar, para curtir. Porém, para nós cristãos, é tempo de orar e de se viver ainda mais próximo a Jesus Cristo. É tempo de estar com o Ressuscitado, estando a Seu lado na sua paixão, morte e ressurreição. morte e ressurreiom o Ressuscitado, estando a Seu lado na sua paixao,to. a Ele. h

Missa de 05.02.2012 “Ai de mim se eu não evangelizar”

Vivemos o 5º Domingo do Tempo Comum e a Liturgia nos revela Cristo como o libertador dos males que afligem a humanidade. Todo aquele que é curado por Jesus é motivado a anunciá-Lo e servi-Lo. Na Paróquia São Pedro, em Taguatinga Sul, a Santa Missa foi celebrada pelo Padre Moacir Anastácio, assistido pelo Diácono Paulo. Nossa resposta ao salmista foi: “Louvai a Deus porque Ele é bom e conforta os corações”.

 Evangelho: Marcos 1, 29-39

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 29Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André.
30A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus.
31E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los.
32À tarde, depois do pôr do sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio.
33A cidade inteira se reuniu em frente da casa.
34Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era.
35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto.
36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus.
37Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”.
38Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”.
39E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.

– Palavra da Salvação. 

– Glória a vós, Senhor.

Padre Moacir clamou o Espírito Santo e iniciou a homilia comentando a Primeira Leitura em que vemos Jó que agora está inundado em sofrimentos, mas antes tinha felicidade, filhos, mulher, amigos, rebanhos e mais rebanhos e era respeitado e considerado.

Ocorre que Satanás se apresentou diante de Deus e exclamou como Jó está bem era fiel ao Senhor e se portava assim porque era  cumulado de graças e  bênçãos. Se assim não o fosse, não agiria assim com Deus. E o Senhor permite, então, que tudo seja tomado de Jó: a mulher, os filhos, os bens e a própria saúde. Jô chega a exclamar que seus dias se arrastam sobre a Terra, em sofrimentos. Ele está numa fase terminal, vivendo a noite escura, cheia de angústia e penar, mas sabe que a vida e o sofrimento são passageiros.

Na Segunda Leitura, Paulo diz que, para ele, pregar o Evangelho é uma imposição, uma necessidade. Chega a exclamar: “Ai de mim se eu não evangelizar”. Paulo sofreu em terra, no mar, foi açoitado, ridicularizado, mas não deixava de evangelizar pela Grécia,

Turquia, Roma e tantos outros lugares. Essa foi a missão dada a ele por Deus: de levar o Evangelho e a salvação a todos os recantos do mundo. Ele tem a consciência de que o homem precisa de Deus e que sua missão é tirar as pessoas da escuridão e apresentá-las a Jesus Cristo. “Dele eu era inimigo, mas Ele me trouxe para si e só faze-Lo ser conhecido e amado”, diz Paulo.

No Evangelho, vemos que Jesus curou a sogra de Pedro. Ele aproximou-se da enferma, pegou a sua mão e levantou-a. Precisamos aprender esse gesto com Jesus Cristo: levantar os caídos, os doentes físicos, os que sofrem de doenças morais e espirituais. Nós conhecemos o Salvador e, por isso, não podemos deixar que as pessoas continuem a sofrer por não conhecerem o Crucificado. Essa missão nos foi dada e não podemos nos omitir. Muitos se perderam no caminho, estão como que dormentes, desviados do caminho, encantados com as coisas do mundo e do demônio. É nosso dever levantá-las, abrir-lhes os olhos e fazer com que retornem ao caminho. Deus nos chama a salvar nós mesmos e os outros.

Quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar. Mesmo sabendo quem era, Ele não deixava de rezar. “Saco vazio não pára em pé”, diz o ditado. Se Jesus Cristo se abastecia na oração, porque nós achamos que dela não precisamos ou basta rezar um pouco apenas? É preciso se comprometer com a obra de Cristo com as orações, com a doação de nosso tempo e também a doação material. Para se levar Jesus Cristo nos dias de hoje,é preciso usar o rádio, a televisão, a internet, os microfones e tudo isso custa. Saibamos retribuir a Deus tudo o que nos foi dado, sendo fiéis no dízimo e na sua eficácia para edificar a Igreja do Senhor.  Por que somos tão infiéis no dízimo, em retornar a Deus parte do que Ele nos concedeu? Seria porque confiamos mais na nossa capacidade e trabalho do que a graça de Deus em nossas vidas?

Missa de 29 de janeiro de 2012

“Romper com tudo aquilo que nos afasta de Deus”

Estamos no 4º Domingo do Tempo Comum e vemos que Cristo, Palavra viva
do Pai, tem a autoridade necessária para nos ensinar como vencer o
egoísmo, o pecado e todos os males. Aumentemos, pois, o espírito de
vigilância para que saibamos romper com tudo aquilo que nos afasta da
comunhão com o nosso Redentor. Na Paróquia São Pedro, em Taguatinga
Sul, a Santa Missa foi celebrada pelo Padre Moacir Anastácio,
assistido pelo Diácono Paulo. Nossa resposta ao salmista foi: “Não
fecheis o coração, ouvi, hoje, a voz de Deus”.

Evangelho: Marcos 1, 21-28
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo, + segundo Marcos.
— Glória a vós, Senhor!

21Na cidade de Cafarnaum, num dia de sábado, Jesus entrou na sinagoga
e começou a ensinar.
22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como
quem tem autoridade, não como os mestres da Lei.
23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele
gritou: 24“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos
destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”.
25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!”
26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande
grito e saiu.
27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “O
que é isto? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos
espíritos maus, e eles obedecem!”
28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda a parte, em toda a
região da Galileia.
– Palavra da Salvação.
– Glória a vós, Senhor.
Padre Moacir clamou o Espírito Santo e iniciou a homilia comentando a
Primeira Leitura em que Moisés profetizou que haveria de vir um
salvador do meio daquele povo que nem queria mais ouvir a Palavra de
Deus. Israel esperou e desejou esse profeta que veio viver de Nazaré.
Esse profeta fala somente o que o Pai quer que Ele fale. Não fala como
o trovão, não fala com barulho, mas age como Ele realmente o era: o
Filho de Deus.

Moisés foi considerado o maior profeta de Israeln e disse que Deus
iria pedir conta daqueles que não escutassem o Senhor. Infelizmente, o
mundo já não escuta mais a voz do Senhor. Caminhamos com Jesus Cristo,
estamos com Ele ou será que o nosso coração ainda está desviado aos
desejos do mundo, às vontades de satanás? Percebe-se que pessoas
dentro e fora da Igreja vivem segundo o que consideram ser
cristianismo. Mas, o verdadeiro cristianismo está na Palavra de Jesus
Cristo, em ler, interiorizar e viver como está escrito. Muitos de nós
vivemos como aquelas pessoas que usam uma roupa transparente e acham
que estão vestidas. E por que agimos dessa maneira? A Palavra nos diz
que onde está o teu tesouro, aí está o teu coração. Talvez somente a
nossa boca esteja com Deus, todo o resto do nosso corpo esteja
distante do Pai. Maldito seja aquele que negar a Palavra de Deus, diz
São Paulo. Às vezes ignoramos a Palavra de Deus porque não nos agrada,
porque não dá amparo ao que queremos viver.

O homem não casado procure agradar o Senhor, sendo solícito e
disponível a Ele. Gostamos que o mundo nos agrade – os amigos,
familiares – da mesma forma que gostamos de ser agradados. E Deus,
temos agradado a Ele? E o casado, procure agradar a sua família. O
homem deve ser o sustento e o esteio da sua família. A sua única
preocupação é agradar a sua esposa e seus filhos. É inconcebível um
homem gastar um trocado com uma cerveja se na sua casa faltar o pão.
Muitas vezes, os casados querem viver como solteiros, abraçados a
satanás e seus devaneios. Se o dia de trabalho termina às 6 da tarde,
porque chegar em casa à meia-noite. A partir do momento que você
casar, conquiste uma vaga no céu e não um atalho para o inferno.
Aquilo que Deus uniu, o homem não separe. Casamento é morrer a cada
dia, sacrificando-se, doando-se, carregando a cruz de cada dia. A
família é um bem de Deus que necessita ser preservado.

Num dia de sábado, Jesus entrou na sinagoga de Cafarnaum, ensinando
como quem tem autoridade, não como os mestres da lei. O demônio que
estava naquele homem possuído sabia que Jesus era o Filho de Deus. E o
demônio perguntou o que Jesus queria dele. Podemos, também, perguntar
o que Jesus Cristo quer de nós. Ele veio para nos salvar, eu e você,
disse o sacerdote. Deixe Jesus te salvar. Estamos próximos da
Quaresma, preparemo-nos para viver esse tempo de recolhimento, de
reflexão, de conversão, de penitência para, juntos, ressuscitarmos com
Jesus na Páscoa.

É tempo de voltar-se para Deus, deixá-Lo tomar conta da nossa vida, é
preciso, é necessário nos abrirmos à obra de Deus em nossas vidas. Os
demônios, em todas as passagens, referem-se a Jesus como o “Santo de
Deus”, “Filho de Davi” e tantos outros nomes, mas nunca o chamaram de
“Senhor”, porque os demônios são insubmissos, revoltos, eternamente
afastados de Deus. Que nós façamos diferente, sendo dóceis e
obedientes à voz do Pai. A única certeza é de que vamos morrer um dia.
Estejamos prontos para sermos recolhidos para vivermos à Sua direita.
Padre Moacir finalizou a homilia citando Santo Agostinho: “Se eles
puderam ser santos, por que eu não posso?”

Pastoral.com
Texto: Beto Dota
Fotos: Rubenir

FacebookRSS